terça-feira, 28 de junho de 2011

O balde...


Um velho senhor tinha um bonito lago na sua enorme herdade.
Depois de algum tempo sem ir ao local, decidiu naquele dia ir dar uma olhada geral para ver se estava tudo em ordem.
Pegou num balde para aproveitar o passeio e trazer umas frutas das árvores pelo caminho, e ao aproximar-se do lago, escutou vozes femininas, animadas, divertidas...
Então viu um grupo de jovens mulheres a tomar banho no lago, completamente nuas.
Chegou mais perto e, com isso, todas elas fugiram para a parte mais funda do lago, deixando apenas a cabeça fora de água.

Uma das mulheres gritou:
-Não saímos daqui enquanto o senhor não for embora!

O velho respondeu:
- Calma moças, eu não vim até aqui para as ver a nadar ou para as ver sair nuas do lago!

Levantando o balde, ele disse:
-Eu só vim dar comida ao jacaré...

Idade, experiência e esperteza, sempre triunfarão sobre a juventude e o entusiasmo...

domingo, 26 de junho de 2011

Parte 24 – Vigésimo quarto contato


"Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível
mudar tudo que nos deixa infelizes. O instante mágico é o momento
em que um sim ou um não pode mudar toda a nossa existência."
( Autor Desconhecido )

Lembrei-me do sino do Sr. Romeu. Não sei por quê. Ou talvez saiba. Agora não importa. Para você, é uma recordação que está ficando distante. Hoje, quase não penso mais nisso. É apenas uma lembrança. E as lembranças permanecem conosco. Mesmo esquecidas por anos. Fazem parte de quem somos.
Já lhe falei a respeito da minha dificuldade em escrever esta carta. Tenho medo das mudanças. Algumas coisas devem permanecer inalteradas. É difícil medir as consequências. Correndo este risco vou falar sobre algo que aprendi apenas recentemente. Não sei como seria minha vida, ou a nossa, se soubesse disso muito tempo antes. Então; se você acreditar em mim, e tenho certeza, não há mais nenhuma razão para duvidar, suas atitudes poderão mudar muita coisa. Veremos.
A ponte para o sempre. Recentemente você leu este livro do Richard Bach. Eu sei, ele ainda continua vivo em sua memória. Continuará até hoje. O autor escreveu exatamente sobre o que gostaria de falar. Usarei as palavras dele. “Há muito tempo eu havia descoberto que tudo é o que é por uma razão. O farelo de massa em cima da mesa não é apenas um lembrete do biscoito desta manhã: está ali porque resolvemos não tira-lo de lá. Nenhuma exceção neste particular. Tudo tem uma razão de ser e o menor dos detalhes constitui uma pista”.
É simples. Quero apenas pedir-lhe: fique atento aos detalhes. Saiba entender as pistas. Eu, ainda hoje, não aprendi. Talvez, se tivesse acreditado nisso um pouco mais cedo... Assim, resolvi recorrer a você. Será preciso, de sua parte, um pequeno esforço. Reflita com calma. Pense um pouco a respeito. Tente olhar para as coisas de maneira diferente. Tente apenas não. Faça. Mas, lembre-se: não mude quem você é.

Como havia prometido deixarei mais uma música: Only time will tell (Asia).

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Um preço muito alto...


"O maior inimigo do homem é a segurança. "
( William Shakespeare )

Na vida aprendemos algumas máximas. “Estou vasculhando minha vida neste minuto para lhe fornecer de graça o melhor que sei; comprado ao preço de todos os meus dias”. (Richard Bach)
Aprendemos através de nossas experiências. Vamos recorrer ao dicionário. Mais uma vez. Experiência: Ato de experimentar. Tentativa. Conhecimento adquirido por prática, estudos, observação, etc.; experimentação. Um homem de experiência é um homem conhecedor das coisas da vida. Não conhecemos todas as coisas da vida. Nem poderíamos. Mas, precisamos tirar algum proveito do que aprendemos. Do contrário, nossa vida seria pura perda de tempo.
Há muitos anos, Richard Bach ensinou-me uma destas máximas. "Ponha a segurança acima da felicidade e esse é o preço que irá pagar por ela." Verdade irrefutável. Acredite. Leia novamente. Para não esquecer. Para estar seguro é preciso estar feliz. Ou não? A felicidade deveria trazer segurança. Não acredito em um mundo diferente. Corra atrás da sua felicidade. Ou, pague o preço e descubra por si mesmo. Da maneira mais difícil...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Reverência ao Destino (Carlos Drummond de Andrade)


Entrelinha poderia ser definida como o espaço entre duas linhas. Simples. Mas nada é simples. O sentido implícito. O que não foi escrito ou falado. Então, interpretamos. E, tratando-se de interpretação, cada um tem a sua. Assim, encontre-se na entrelinhas...

"Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo,
mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma
força jamais o resgata"


Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião. Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá. Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias. Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado. Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz. Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação. Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer. Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado. Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende. E é assim que perdemos pessoas especiais. Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar. Difícil é mentir para o nosso coração. Fácil é ver o que queremos enxergar. Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil. Fácil é dizer "oi" ou "como vai?" Difícil é dizer "adeus". Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas... Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados. Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa. Fácil é querer ser amado. Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama. Fácil é ouvir a música que toca. Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas. Fácil é ditar regras. Difícil é segui-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros. Fácil é perguntar o que deseja saber. Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta. Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade. Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria. Fácil é dar um beijo. Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro. Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida. Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro. Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica. Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado. Fácil é sonhar todas as noites. Difícil é lutar por um sonho. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Os bons morrem jovens


Patty... Estava devendo essa. Não esqueci. Apenas, demorei. Havia prometido. Resolvi colocá-la agora. Não sei o motivo. Não vou falar da importância e recordações desta música para você. Mesmo depois de tantos anos. Já falamos sobre isso. São suas reminiscências. Agora, serão minhas também...

"Eu continuo aqui
Meu trabalho e meus amigos
E me lembro de você
Em dias assim
Dia de chuva
Dia de sol
E o que sinto não sei dizer..."

sábado, 11 de junho de 2011

AR/DR - Antes de Ronaldo / Depois de Ronaldo


Não à toa, este blog recebeu o nome de Reminiscências. Os lugares em que estive; as coisas que vi e as pessoas que comigo estiveram, ficaram e estarão sempre de maneira muito especial, retidas em minha memória. Não tenho certeza se conseguirei manifestar meus sentimentos através de palavras. Muitas vezes não. Mas é possível, ao menos, exibir alguns destes momentos. É o que acontecerá em Reminiscências de quem estava lá. Espero que também tenham a oportunidade de reviver algumas lembranças adormecidas...
-------------------
"A História tem demonstrado que os mais notáveis vencedores
normalmente encontraram obstáculos dolorosos antes de triunfarem.
Eles venceram porque se recusaram a se tornarem desencorajados por suas derrotas."

(Bryan Forbes)


Queria falar de Ronaldo. Não é preciso falar de Ronaldo. Antes de Ronaldo. Depois de Ronaldo. Veja o vídeo e entenda...

quinta-feira, 9 de junho de 2011

O Valioso tempo dos maduros - Mário de Andrade (1893-1945)


Entrelinha poderia ser definida como o espaço entre duas linhas. Simples. Mas nada é simples. O sentido implícito. O que não foi escrito ou falado. Então, interpretamos. E, tratando-se de interpretação, cada um tem a sua. Assim, encontre-se na entrelinhas...
" O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!
"

Contei meus anos e descobri que talvez terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas. As primeiras ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas que, apesar da idade cronológica, são imaturas.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.
As pessoas não debatem conteúdos, apenas rótulos.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade.
Quero caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena. E para mim, basta o essencial!

domingo, 5 de junho de 2011

Ano de 2030...


“E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.”
(Autor Desconhecido)

Viajar no tempo não é possível. Ainda. Quando falamos de futuro, podemos apenas imaginá-lo. Imagine se, por exemplo, tivéssemos a oportunidade de ler as manchetes de 2030. Bom, podemos imaginá-las...

sexta-feira, 3 de junho de 2011