domingo, 23 de junho de 2013

Amar novamente - Adriano Cabral


 
 
"...vi na treva tudo desaparecer em silêncio, e ao sentir a iminência do fim, derramei lágrimas que lavaram todo meu orgulho e insensatez, toda minha inveja e minha ira, naquele exato momento voltei a ser criança...".
 
Descobri que sou capaz de amar novamente.
Foi na madrugada enquanto dormia desperto, tive a necessidade de abrir os olhos para contemplar a escuridão do meu quarto.
Descobri que sou capaz de amar novamente porque um dia, somente um dia, deixei de acreditar no amor. Porque, tolo, achei que ele havia me feito sofrer, mas ao acordar naquela madrugada, percebi que jamais se sofre por amor, e sim por falta dele e por causa de ilusões, estas sim, são frágeis e nos tornam fracos, no entanto, estão fadadas a desaparecer.
Naquele instante saltei da cama e saí literalmente cego a andar pelos corredores até chegar ao quarto contíguo e sem acender a luz, encontrei meu violão.
Descobri que sou capaz de amar novamente quando eu retornei ao meu quarto e na mesma escuridão, entoei uma música, estava de olhos cerrados. A canção falava de esperança, de um sol que quase sempre nasce, de lutar mesmo quando tudo parece perdido. Outra canção falava de sonhos perdidos, quimeras vazias, mas que para mim foram tão reais que pareciam preencher um certo vazio que até então acompanhava meu coração. Não sei se algum vizinho acordou irritado com a canção, só sei que apenas as vozes minha e do meu violão imperavam na treva brilhante.
Descobri que sou capaz de amar novamente, quando no meio da penumbra, embalado pela música, recordei todos os meus entes queridos de ontem, hoje e até do amanhã. Foram tantos os rostos, amigos, parentes, paixões e amores, e cada face que me fizeram viver tantas e diversas sensações desde da ventura até o desespero, no entanto ao final, não pude deixar de ver em cada um deles um sorriso e o perdão.
Descobri que sou capaz de amar novamente quando vi na treva tudo desaparecer em silêncio, e ao sentir a iminência do fim, derramei lágrimas que lavaram todo meu orgulho e insensatez, toda minha inveja e minha ira, naquele exato momento voltei a ser criança.
Descobri que sou capaz de amar novamente quando ao findar a música, escutei aplausos, assovios e vivas que ecoaram no silêncio da noite. Quando mesmo na penumbra pude saber que lá estava alguém que merece ser amada. Alguém que nem sonha o quanto eu lutarei para vê-la feliz e sentir o seu repousante abraço mas fatalmente hei de conhecer.
Descobri que sou capaz de amar novamente, porque mesmo já tendo trilhado o caminho errado, ainda tenho coragem para amar e ser amado. Porque faço parte da raça humana que ainda tem  força para sonhar e ver a incrível riqueza deste invisível que tão poucos realmente vêem e vivem.
 
Descobri que sou capaz de amar novamente, quando tive a certeza que ainda posso pular de olhos fechados, e, sem medo... voar.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

O Menestrel - William Shakespeare



Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
 E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam... E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
 Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
 Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
 Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
 Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, contudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás.
 Portanto... plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Trigésimo sexto contato


 
Não se esqueça delas. “Plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida!" Assim, Shakespeare termina O menestrel. É um texto incrível. Deveríamos levá-lo no bolso. Ler cada linha toda manhã. São as conclusões de vida do poeta inglês. Com o passar dos anos, também chegará às mesmas conclusões. É a vida. Nossos aprendizados são experiências acumuladas através de nossas vivências. Acredite; você possui muita força. Não se engane; não quer dizer que as coisas são fáceis. Não são. Não espere facilidade.
            Sabe o que descobri recentemente? Que palavras de nada valem. Pode parecer estranha esta conclusão para alguém que escreve tantas cartas. Afinal, palavras são tudo que tenho lhe oferecido. Mas, o que posso fazer? Perder a oportunidade? Sabe muito bem: não perderíamos uma chance por nada. Nunca. Espero que para você elas não sejam apenas linhas perdidas no tempo. Espero que possam ser transformadoras. Espero... Esperar é ter fé. Já falei isso? Acho que sim. Talvez esteja tornando-me repetitivo. A verdade é: estas cartas não podem ser apenas palavras. A atitude deve ser sua. Sem ela, esta oportunidade não terá sentido. Faça valer à pena.
            Olhe como a vida mudou para você. Muda para todo mundo. Sempre. As pessoas não têm consciência. Quando a vida nos apresenta uma oportunidade, devemos agarrar-nos a ela com toda a nossa força. A vida não perdoa. E caberá a você decidir quando deverá deixar algo para trás. Saber que é o fim. Talvez, o fim seja apenas o começo. Não sei. Ninguém sabe. Paradoxo.