quarta-feira, 26 de julho de 2017

Entre Negativas e Afirmações...





Alice: Quanto tempo dura o eterno?
Coelho: Às vezes apenas um segundo.
(Lewis Carroll)

Temos várias razões para escrever. Certamente o mesmo número para não fazê-lo. Sempre fui admirador de Machado de Assis. Quem, em sã consciência, não é? Perdoe-me, se não for o seu caso. Por isso disse em sã consciência. Enfim. Aproprio-me “Das Negativas” de Memórias Póstumas para explicar melhor: Brás Cubas chega ao final, do outro lado do mistério como ele mesmo diz, afirmando que “Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra...”.
 Sempre admirei nosso "Poeta Maior" por escrever essa obra sobre nada. Calma. Não é nenhuma heresia. Você precisa concordar que a vida de Brás Cubas não é diferente de qualquer cidadão comum. Quem quer ler a respeito de uma vida comum?  E essa é, para mim, a genialidade da história. O que seria um motivo para não escrever, foi exatamente a razão para fazê-lo.
Então, acabo por utilizar de uma maneira um tanto confusa para explicar minha ausência por aqui. E da mesma maneira esclarecer que tento agora fazer das minhas negativas as minhas afirmações. E assim, escrevo.
E escrever, nesse momento, me dá a sensação que ficarei entre algum ponto entre o efêmero e o eterno. Não que seja minha intenção. Falar em efêmero nos remete ao que é passageiro, que dura pouco tempo. Que é transitório. Que assim seja! Amém. Mas pense em sua própria vida: nesse exato momento, ela se parece efêmera para você? Eu sei, nenhum pouco. Talvez um dia. E é aí que nos aproximamos da ideia do eterno. E será que poderemos afirmar, assim como Brás Cubas, que sairemos quites com a vida? Não sei para você, mas para mim só resta esperar que o efêmero se torne eterno. E que ao final eu não tenha um capítulo de negativas, mas de afirmações...

Um comentário:

Henri Coelho disse...

Parabéns pelo retorno.
Seus textos são sempre muito bons, espero que consiga continuar escrevendo com regularidade.
O que sei que é bem difícil de fazer.
Abraços